Outras Notícias

Pela paz e pelo progresso social!

O CPPC está com a luta dos trabalhadores contra o empobrecimento e as injustiças, pelo emprego, pelos salários, as pensões e os direitos sociais
Porque a luta pela paz é indissociável da luta contra a exploração e a opressão, pela justiça social, pela democracia e a soberania nacional, o CPPC associa-se à manifestação convocada pela CGTP-IN que se realizará no próximo dia 1 de Outubro, pelas 15h00, do Saldanha aos Restauradores, em Lisboa.
Num mundo em que as colossais despesas militares não param de aumentar e convivem lado a lado com a miséria, a doença e a fome de incontáveis seres humanos, o CPPC reafirma a sua denúncia que os responsáveis pela agudização da situação económica e social, que atacam os direitos dos povos e dos trabalhadores, são os mesmos que promovem e são os responsáveis pela corrida aos armamentos, a militarização das relações internacionais e a guerra.
A agudização das condições de vida da esmagadora maioria da população portuguesa resulta de uma política que incrementa uma cada vez maior exploração e uma cada vez mais desigual distribuição da riqueza, a par da completa claudicação e abdicação da defesa dos interesses nacionais face ao imperialismo, de que são exemplo o cada vez maior condicionamento e domínio externo da economia nacional, a participação de forças armadas portuguesas na agressão a outros povos ou uma política de defesa nacional ditada pelos objectivos da cada vez mais agressiva NATO.
O CPPC reafirma que a defesa da Paz integra e é condição necessária à luta mais ampla pelo progresso e pela justiça social de todos os povos e convida os seus aderentes e todos aqueles que se reconhecem na defesa destes princípios a participarem nas iniciativas anunciadas pela CGTP-IN para o próximo Sábado, dia 1 de Outubro.
 
Para os que em Lisboa se queiram juntar ao CPPC, o ponto de encontro é na Praça do Saldanha, no topo junto à Avenida da República, a partir das 14h30.
 
28 de Setembro de 2011
O Conselho Português para a Paz e a Cooperação

 

O CPPC participará na manifestação nacional de 29 de Setembro, convocada pela CGTP-IN.

Informamos os amigos que queiram juntar-se ao CPPC na participação nesta manifestação que o local de encontro será frente à Estação dos Correios na Praça dos Restauradores, pelas 14h30.

Saudação à Manifestação Nacional de 29 de Setembro
PELA PAZ, CONTRA A VIOLÊNCIA DA POBREZA E DO DESEMPREGO

O Conselho Português para a Paz e Cooperação – CPPC – saúda a manifestação Nacional, convocada pela CGTP-IN, para o próximo dia 29 de Setembro.

As violentas medidas de austeridade que têm vindo a ser aplicadas pelo governo traduzidas na redução dos salários e das pensões, na diminuição dos valores e da qualidade da protecção social, no abandono das funções sociais do Estado em áreas como a saúde e o ensino, agravam as, já difíceis, condições de vida dos trabalhadores, dos pensionistas e reformados; conduzem ao aumento do desemprego, sobretudo entre as camadas jovens; precarizam as relações de trabalho; aumentam as injustiças e desigualdades, pondo, assim, em causa os interesses do povo e do país e a própria soberania e independência nacional.

São políticas que conduzem o nosso país a uma mais acentuada dependência económica e política em relação ao exterior, que não garantem as condições para que todos os portugueses possam usufruir de uma vida digna no presente, e que hipotecam o futuro das gerações vindouras.

Ler mais...

O CPPC esteve presente no fórum “Agua de Todos, não à privatização”

O Conselho Português para a Paz e Cooperação esteve presente no fórum “Agua de Todos, não à privatização” que se realizou no passado dia 29 de Outubro, na “Voz do Operário” e que contou com a presença de mais de três centenas de participantes.
Com esta iniciativa iniciou-se uma campanha de recolha de assinaturas para uma Iniciativa Legislativa que proponha na Assembleia da República uma Lei de “Protecção dos direitos individuais e comuns à água”.
O CPPC integrou as organizações que em 2008 lançaram a campanha “A Água é de Todos, não negócio de alguns”.
Na sua intervenção, Vítor Silva, vice-presidente do CPPC, esclareceu das razões do empenho desta organização na campanha, nomeadamente o facto de a posse e domínio da distribuição da água ter já provocado muitas mortes através da história, a água já ter sido utilizada como arma em guerras, de em tempos recentes a privatização deste recurso ter provocado conflitos regionais, de no actual quadro de crise do capitalismo se procurar acelerar a privatização deste bem essencial à vida. Terminou reafirmando que só o domínio público da água pode garantir o acesso universal a um bem essencial, diminuindo o risco de guerras, salientando que defender que a água pública é, portanto, defender a Paz!