Outras Notícias

FacebookTwitterRSS Feed

Sim à Paz! Não à NATO!

Sim à Paz! Não à NATO!- Iniciativas por todo o País A campanha «Sim à Paz! N&at...

012

faixa 2018 1 20180704 1105100075

 

 

 

Sim à Paz! Não à NATO!
- Iniciativas por todo o País

A campanha «Sim à Paz! Não à NATO!», promovida por várias organizações e movimentos sociais, com o objectivo de contestar os propósitos belicistas da Cimeira da NATO, de 11 e 12 de Julho, em Bruxelas, marcará presença em diversificados pontos do País, através da distribuição de jornais e folhetos (ver em anexo), onde se expressam as razões, assim como as exigências dos promotores, nomeadamente: a dissolução da NATO; o fim das guerras de agressão; desmantelamento do sistema anti-missil THAAD dos EUA/NATO e encerramento das bases militares em território estrangeiro; a abolição das armas nucleares e de outras armas de destruição massiva; o fim da corrida aos armamentos e o desarmamento geral, simultâneo e controlado; o apoio aos deslocados e refugiados, vítimas das guerras que a NATO promove e apoia; a assinatura e ratificação por Portugal do Tratado de Proibição de Armas Nucleares; o cumprimento, pelas autoridades portuguesas dos princípios consagrados na Constituição da República Portuguesa e na Carta das Nações Unidas, de respeito pela soberania, independência, igualdade de direitos e resolução pacífica dos conflitos entre os Estados.

Marcados estão também diversos actos públicos, designadamente em:

- Évora, 7 de Julho, às 11 horas, na Praça do Giraldo;
- Lisboa, 9 de Julho, às 18 horas, no Largo Camões;
- Coimbra, 10 de Julho, a partir das 15 horas, na Praça 8 de Maio;
- Faro, 10 de Julho, às 18 horas, na Rua Santo António;
- Porto, 12 de Julho, às 18 horas, na Rua de Santa Catarina.

Presença na manifestação em Bruxelas

O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), estará igualmente presente na manifestação que se realiza em Bruxelas, no próximo dia 7 de Julho, promovida por diversas organizações e movimentos sociais daquele país, em que a defesa da paz e a luta contra a NATO terão uma forte presença.