Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

Urgente acabar com sanções e bloqueio contra a Venezuela

urgente acabar com sancoes e bloqueio contra a venezuela 1 20210217 1741959301

O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) sublinha a importância do apelo recente da relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Alena Douhan, para que cessem as sanções contra a Venezuela e que países como Portugal actuem para descongelar recursos do Estado venezuelano.
A relatora salientou que as sanções, o bloqueio económico contra a Venezuela e o “congelamento” de recursos “exacerbaram as calamidades” e “limitam o direito à vida, à educação, comida e medicamentos”, tendo afirmado que as medidas coercivas impostas, desde 2017, pelos EUA e pela União Europeia travaram o desenvolvimento do país porque reduziram as receitas do Estado, especialmente da venda de petróleo, em 99%, o que dificulta as respostas sociais, situação tanto mais dramática quanto se está numa grave situação sanitária por causa da COVID 19.
Recorde-se que, por causa do bloqueio e das sanções, diversos países bloquearam milhares de milhões de euros venezuelanos, e que, no caso português, estão em causa mais de 1500 milhões de euros bloqueados no Novo Banco, que o ministro venezuelano dos Negócios Estrangeiros, Jorge Arreaza, assegura estarem destinados à importação de medicamentos, vacinas, alimentos, matérias-primas industriais, sementes e fertilizantes, materiais hospitalares e outras despesas vitais.
Assim, mais uma vez, o CPPC reafirma a sua solidariedade para com o povo da República Bolivariana da Venezuela e a sua luta em defesa da soberania, do progresso social e da paz, contra as sanções e bloqueios, apelando também a todos os amantes da paz para que se envolvam nesta solidariedade e na exigência às autoridades portuguesas que pugnem pelo levantamento imediato das sanções e do bloqueio imposto pelos EUA à Venezuela e pela devolução por parte do Novo Banco dos avultados recursos soberanos que tem ilegal e ilegitimamente cativos.
Direção Nacional do CPPC

Respeitar a vontade do povo venezuelano

respeitar a vontade do povo venezuelano 1 20201229 1090439141
 
O CPPC promoveu, no dia 18, uma sessão pública sobre as recentes eleições legislativas na República Bolivariana da Venezuela, com o significativo lema «Respeitar a Vontade do Povo Bolivariano».
De facto, é precisamente isto que está em causa nesta situação: acossada pelo imperialismo, a Venezuela e o seu povo defendem o seu processo democrático e soberano, iniciado com a vitória eleitoral da Hugo Chávez nas eleições de dezembro de 1998 e que o desde o início tem enfrentado a ingerência, o golpismo e o bloqueio do imperialismo norte-americano, apoiado pela UE, por alguns países da América Latina e pela oligarquia venezuelana.
Estiveram presentes os embaixadores da Venezuela e de Cuba em Portugal, Lucas Rincón Romero e Mercedes Martínez, respetivamente, Luís Carapinha, do CPPC, e Sandra Pereira, deputada do Partido Comunista Português no Parlamento Europeu, que esteve como observadora no ato eleitoral.
A sessão teve como objetivo principal dar informação sobre os últimos desenvolvimento da situação na República Bolivariana da Venezuela, não deixando de constituir um vibrante momento de solidariedade e de defesa do direito dos povos trilharem os seus próprios caminhos de desenvolvimento soberano, sem ingerência de qualquer espécie. A solidariedade internacional é, a par da resistência no próprio país, o caminho para vencer.

Cuba promove a paz e a solidariedade, não o terrorismo

cuba promove a paz e a solidariedade nao o terrorismo 1 20210123 2073653737
 
O Conselho Português para a Paz e Cooperação repudia da forma mais firme a recente decisão da Administração dos EUA de voltar a incluir Cuba na sua lista de Estados, que arbitraria e hipocritamente afirma, serem promotores do terrorismo.
Esta é mais uma medida unilateral dos EUA, com que procuram justificar inaceitáveis bloqueios e sanções, que impõem sem qualquer fundamento e à revelia do direito internacional, pretendendo aumentar as pressões e ingerências com que, desde há décadas, procuram impedir o povo cubano de prosseguir livremente o caminho que soberanamente escolheu para o seu país.
Esta medida é tão mais imoral quanto os EUA, país que reconhecidamente cria, financia e apoia grupos terroristas para desestabilizarem outros países, como, por exemplo, na Síria, acusam Cuba que é exemplo, também reconhecido, mas de solidariedade internacional, como bem simboliza, entre outros, a Brigada Médica Henry Reeves, candidata ao Nobel da Paz.
Ler mais...

Saara Ocidental não é do Reino de Marrocos

saara ocidental nao e do reino de marrocos 1 20201229 2051413990
 
O Conselho Português para a Paz e Cooperação expressa a mais firme condenação perante as declarações da Administração dos EUA que pretendem legitimar a ilegal ocupação do Saara Ocidental pelo Reino de Marrocos.
À semelhança das inaceitáveis decisões que pretendem legitimar a ilegal ocupação da Palestina por parte de Israel, esta recente tomada de posição da Administração dos EUA representa uma nova e profunda afronta ao direito dos povos à sua auto-determinação e soberania, ao seu direito à paz. Estes dois exemplos estão tanto mais ligados, quanto em troca deste “reconhecimento” por parte dos EUA, o Reino de Marrocos normalizou as suas relações diplomáticas com Israel.
Uma vez mais a Administração dos EUA assume o seu papel de promotora e cúmplice da opressão nacional dos povos, em manifesta afronta aos princípios da Carta da ONU e ao Direito Internacional.
Reafirmando a sua solidariedade ao povo saarauí e à Frente Polisário, sua legítima representante, o CPPC considera que o Governo português, em coerência com os princípios da Constituição da República Portuguesa e do Direito Internacional, deve repudiar as declarações da Administração dos EUA – denunciando os que querem impor a sua vontade aos povos do mundo, para os espoliarem dos seus recursos – e desenvolver uma activa acção pelo respeito do inalienável direito à auto-determinação do povo saarauí, pelo fim da ocupação marroquina do Saara Ocidental e pela libertação dos presos políticos saarauís das prisões marroquinas.
Direção nacional do CPPC