Outras Notícias

CMP

  • Em Varsóvia dissemos não à NATO!

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) participou, no passado dia 8 de Julho, em Varsóvia, na Conferência Internacional contra a NATO, organizada pelo Conselho Mundial da Paz no dia em que se iniciava a cimeira desse bloco político-militar agressivo.

    Na conferência participaram dezenas de delegados de vários movimentos da Paz da Polónia e de mais de 20 outros países.

    Os delegados presentes na conferência participaram ainda na manifestação contra a NATO que ocorreu em Varsóvia no dia 9 de Julho.

     

  • "Plena solidariedade à Venezuela e seu povo!"

     

    A presidente do Conselho Mundial da Paz (CMP), Socorro Gomes,que regressou recentemente da Venezuela, onde participou numa missão de solidariedade organizada pela Federação Mundial da Juventude Democrática com o apoio do CMP, endereçou ao Presidente Nicolás Maduro a carta que reproduzimos abaixo:

    "Ao Exmº Sr.

    Nicolás Maduro

    Presidente da República Bolivariana da Venezuela

    Plena solidariedade à Venezuela e seu povo!

    Diante da escalada de eventos agravados pela ingerência do imperialismo estadunidense, manifestamos mais uma vez veementemente, em nome do Conselho Mundial da Paz, o repúdio às agressões contra a República Bolivariana da Venezuela, aos intentos golpistas por parte do imperialismo estadunidense em aliança com a oligarquia e a extrema-direita venezuelana.

  • 10 de Agosto Dia Internacional de Solidariedade com as Vítimas do Agente Laranja

     

    Em nota emitida hoje, dia 10 de Agosto, o Secretariado do Conselho Mundial da Paz (CMP) assinala o Dia Internacional de Solidariedade com as Vítimas do Agente Laranja.

    O CMP sublinha que 54 anos passados sobre o início da guerra dos EUA contra o povo do Vietname, se mantém a necessidade de uma compensação global e abrangente das vítimas da arma química "Agente Laranja". Arma extensamente utilizada pelos EUA que nunca assumiram a sua responsabilidade pelos seus efeitos, perante o heroico povo vietnamita.

    Passados 40 anos da vitória vietnamita, são ainda visíveis os efeitos da utilização norte-americana desta arma química, em milhares de crianças que nascem com deficiências mentais e físicas, nos problemas de saúde dos habitantes de zonas contaminadas e nos danos ambientais.

    O CMP expressa a sua total solidariedade com o povo vietnamita e em particular com a Associação das Vítimas do Agente Laranja, exigindo que a administração norte-americana assuma a sua responsabilidade e tome os passos necessários para compensar as vítimas.

    O CMP termina apelando à solidariedade de todos os seus membros e amigos para que mantenham viva a luta por esta justa causa do povo vietnamita.

     

  • 65 anos de Luta pela Paz - Conselho Mundial da Paz

    O CPPC assinala os 65 anos do Conselho Mundial da Paz no próximo dia 17 de Junho, quarta-feira, pelas 18 horas, na Escola Profissional Bento de Jesus Caraça (Rua Victor Cordon, 1, Lisboa). A iniciativa, intitulada «65 anos de luta pela Paz – Desafios actuais», conta com a participação da presidente do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, a presidente da Direcção do CPPC, Ilda Figueiredo, e do jornalista José Goulão.

     

     

  • 65 anos de Luta pela Paz - Conselho Mundial da Paz

    O CPPC assinala os 65 anos do Conselho Mundial da Paz no próximo dia 17 de Junho, quarta-feira, pelas 18 horas, na Escola Profissional Bento de Jesus Caraça (Rua Victor Cordon, 1, Lisboa). A iniciativa, intitulada «65 anos de luta pela Paz – Desafios actuais», conta com a participação da presidente do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, a presidente da direcção do CPPC, Ilda Figueiredo, e do jornalista José Goulão.

  • Apelo a Acção do Conselho Mundial da Paz

    apelo a accao do conselho mundial da paz 1 20140828 1187591298

    NATO: Principal instrumento militar do imperialismo

    Cimeira da NATO, País de Gales, 4 a 6 de Setembro de 2014

    O Conselho Mundial da Paz apela a todas as pessoas do mundo amantes da paz para mobilizarem por um Dia Internacional de Protesto contra a NATO, no dia 30 de Agosto de 2014

    2014: Centenário da 1ª Guerra Mundial – 75 anos do início da 2ª Guerra Mundial

    O ano de 2014 assinala o 100º aniversário do início da 1ª Guerra Mundial. Foi um

  • Apelo aos Povos da Europa - Dar mais força à luta pela paz!

    dia internacional da paz 2017 1 20170920 1418491887

     

    No âmbito da decisão tomada pela Assembleia Mundial da Paz, ocorrida no Brasil e reafirmada pela Reunião das organizações membro do Conselho Mundial da Paz (CMP) na Europa, ocorrida em Berlim, de assinalar o Dia Internacional da Paz com iniciativas contra as armas nucleares e outras armas de destruição massiva, e contra as bases militares estrangeiras, as organizações membro do CMP na Europa unem-se e contribuem para o sucesso deste Dia de Acção ao, entre outras actividades, colectivamente redigirem e divulgarem o "Apelo aos povos da Europa - Dar mais força à luta pela paz! - 21 de Setembro —Dia de Acção contra as armas nucleares e outras armas de destruição massiva e as bases militares estrangeiras"

     

    21 de Setembro —Dia de Acção contra as armas nucleares e outras armas de destruição massiva e as bases militares estrangeiras

    As organizações membro do Concelho Mundial da Paz na Europa decidiram celebrar o Dia Internacional da Paz — proclamado pelas Nações Unidas para o dia 21 de Setembro — unindo as suas vozes num apelo aos povos da Europa para dar mais força à luta pela paz!

    Os povos da Europa e de todo o Mundo enfrentam a crescente agressividade global do imperialismo, a escalada do militarismo, o aumento da despesa militar, a corrida por novas, mais sofisticadas e destrutivas armas, incluindo armas nucleares, a instalação de novas forças militares e equipamentos em bases

  • Assembleia do Conselho Mundial da Paz

    Divulgamos texto do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) a anunciar a realização da próxima Assembleia do Conselho Mundial da Paz, na qual o Conselho Português para a Paz e Cooperação participa de forma empenhada.

    "Conselho Mundial da Paz realizará Assembleia pela primeira vez no Brasil

    São Luís (MA) será a capital da luta pela paz em novembro. O Conselho Mundial da Paz (CMP) realiza pela primeira vez no Brasil a sua Assembleia e escolheu o Maranhão, que já ofereceu a sua combativa hospitalidade, como o ponto de encontro dos movimentos engajados na luta contra a guerra e a opressão. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) será o anfitrião.

    O CMP convida todas as forças democráticas, empenhadas por um mundo mais justo, de amizade e cooperação entre os povos, os trabalhadores, a juventude, as mulheres, negros, indígenas e todos os movimentos sociais engajados na construção de novas relações, livres da dominação e da exploração, a apoiarem e participarem da Assembleia Mundial da Paz, de 17 a 19 de novembro, e da Conferência Mundial da Paz, em 20 de novembro, em São Luís.

  • Assembleia Mundial da Paz - Brasil 2016

    "Conselho Mundial da Paz realizará Assembleia no Brasil e Cebrapaz será anfitrião

    São Luís (MA) será a capital da luta pela paz em novembro. O Conselho Mundial da Paz (CMP) realiza pela primeira vez no Brasil a sua Assembleia e escolheu o Maranhão, que ofereceu a sua combativa hospitalidade, como o ponto de encontro dos movimentos engajados na luta contra a guerra e a opressão. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) será o anfitrião.

  • Assembleia Mundial da Paz (Brasil): Declaração Final

    Fortalecer a solidariedade dos povos na luta pela paz, contra o imperialismo

    A Assembleia de 2016 do Conselho Mundial da Paz, realizada em 18 e 19 de novembro em São Luís e acolhida pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ), concluiu com a adoção da seguinte Declaração.

  • Assembleia Mundial da Paz reúne no Brasil

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) participa nos dias 18 e 19 de Novembro no Brasil na Assembleia Mundial da Paz, órgão máximo do Conselho Mundial da Paz (CMP) de que o CPPC é membro com assento no seu Comité Executivo e Secretariado, sendo ainda seu coordenador para a Europa.

    A Assembleia Mundial da Paz é um grande fórum internacional de movimentos da paz onde as organizações nacionais que integram o CMP analisam a situação internacional, de batendo e decidindo sobre o rumo a seguir na luta pela paz, elaborando campanhas e ações de unidade em torno dos princípios do CMP, pela defesa da autodeterminação dos povos e da soberania nacional, na luta anti-imperialista e anti-colonialista, contra a militarizaçãoas e as armas de destruição massiva, por relações internacionais solidárias, de respeito mútuo, pela não ingerência, pela paz.

    A Assembleia é antecedida por uma reunião do Comité Executivo do CMP e será seguida pela Conferência Mundial da Paz que reúne, para além das organizações membro, organizações amigas, movimentos sociais e personalidades convidadas para a discussão dos desafios atuais e para a análise da conjuntura internacional.

  • Brasil acolheu Assembleia Mundial da Paz

    A esperança constrói-se na acção e na unidade

    Meia centena de representantes de organizações e movimentos da paz de 33 países participaram, a 18 e 19 de Novembro, na Assembleia Mundial da Paz, que se realizou na cidade brasileira de São Luís do Maranhão. No dia seguinte, teve lugar uma conferência internacional.

    O CPPC, que se fez representar pela presidente e por um dos vice-presidentes da Direcção Nacional, respectivamente Ilda Figueiredo e José Batista Alves, foi reeleito para o Comité Executivo e para o Secretariado do Conselho Mundial da Paz (CMP), mantendo igualmente a coordenação da Região Europa. As organizações da Palestina, África do Sul, Nepal e Cuba assumem a coordenação das respectivas regiões: Médio Oriente, África, Ásia e América. Na presidência permanece o Cebrapaz, do Brasil, na pessoa de Socorro Gomes, da mesma maneira que o Secretário-geral e o Secretário-executivo continuam a ser membros do Comité Grego para o Desanuviamento Internacional e Paz.

  • Cimeira do Movimento dos Não Alinhados

    O Conselho Mundial da Paz (CMP),representado pela sua presidente Socorro Gomes, participou, enquanto observador, na Cimeira do Movimento dos Não Alinhados, que decorreu o passado fim de semana na Venezuela, divulgamos a notícia publicada pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ) que preside ao CMP.

    «Socorro Gomes defende a importância do Movimento dos Países Não Alinhados durante a Cúpula na Venezuela

    Concluída neste domingo (18 de setembro de 2016), a 17ª Cúpula do Movimento dos Países Não Alinhados (MNA) colocou em evidência que os povos unem-se para enfrentar a ofensiva imperialista em todos os continentes. A avaliação é de Socorro Gomes, presidenta do Conselho Mundial da Paz, que tem estatuto de observador no MNA (leia a íntegra do seu discurso abaixo). O movimento, que integra 120 nações, emitiu a Declaração de Margarita com compromissos direcionados à democratização da Organização das Nações Unidas (ONU), o fortalecimento de mecanismos multilaterais e outros pontos de uma nova ordem internacional.

  • CMP reúne em Guantanamo

    O CPPC participa neste momento na reunião do Comité Executivo do Conselho Mundial da Paz, que decorre de 20 a 21 de Novembro, em Guantanamo, Cuba e onde participam 14 organizações de diversas partes do mundo, entre outros assuntos deverá ser tomada a decisão sobre a data e o local da realização da próxima Assembleia Mundial da Paz, a realizar em 2016.

    A reunião do executivo será seguida do IV Seminário Internacional pela Paz e pela Abolição das Bases Militares Estrangeiras, de 22 a 25 de Novembro, organizado em conjunto pelo CMP e pelo Movimento Cubano pela Paz e a Soberania dos Povos e que reunirá centenas de delegados de todo o mundo, na cidade que tem parte do seu território ocupado pela Base Naval dos EUA na baía de Guantanamo.

    Na abertura da reunião do comité executivo foi inaugurada uma exposição de cartazes pela Paz.

  • Comunicado do Secretariado do Conselho Mundial da Paz


    O Conselho Mundial da Paz (CMP) condena as atrocidades israelitas contra o povo palestino

    A chacina em curso do povo palestino pelo exército israelita não tem fim. Mais de 570 palestinos foram assassinados, milhares feridos e muitos outros milhares deslocados. A maioria das vítimas são civis, entre elas dezenas de mulheres e crianças. A Faixa de Gaza da Palestina está transformada num teatro de guerra unilateral pelas forças de ocupação de Israel, contra um povo que está sendo privado da sua independência, liberdade e do direito a um Estado.

    O CMP condena as atrocidades do governo de Israel e do seu exército contra o povo palestino e apela a todas as forças amantes da paz em todo o mundo para protestar e denunciar estas acções bárbaras.

    Nenhum outro Estado se atreve a exercer esse "direito" autoproclamado de atacar civis desprotegidos com forças aéreas e terrestres, apenas Israel reivindica para si este "privilégio" cínico.

    A hipocrisia demonstrada pelos EUA, que apoia totalmente o regime israelita nas suas acções, bem como a cumplicidade da UE, que equipara as vítimas ao agressor, atingiu novos máximos. Até o Conselho de Segurança da ONU, que manifesta a sua "profunda preocupação" e apela a um "cessar-fogo", não toma qualquer decisão para pressionar o agressor Israel, que está a cometer crimes de guerra contra todo um povo.

    O regime israelita está a cometer um genocídio sob a forma de uma punição colectiva do povo palestino, e os pretextos da sua própria defesa são infundados, quando se olha para os factos e para a sua invasão da Faixa de Gaza.

    A única maneira de alcançar a paz e a estabilidade na região é a criação e o reconhecimento de um Estado independente da Palestina dentro das fronteiras de 4 de Julho de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital.

    Manifestamos a nossa sentida solidariedade com o povo palestino, na Faixa de Gaza, na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, bem como o nosso apoio às forças amantes da paz dentro de Israel, que lutam lado a lado com o povo palestino por uma solução justa e viável, pelo fim da ocupação.

    O Secretariado do CMP
    22 de Julho de 2014

     

  • Comunicado Final do Comitê Executivo do Conselho Mundial da Paz reunido na Índia

     

    O Comitê Executivo do CMP reuniu-se na cidade indiana de Goa, entre 26 e 28 de novembro de 2014. A reunião, cujo anfitrião foi a Organização Toda-Índia de Paz e Solidariedade (AIPSO), emitiu, depois das discussões sobre as ameaças à paz em diferentes partes do mundo, a seguinte declaração:

    O Conselho Mundial da Paz, em seu 65º ano de luta, saúda as forças amantes da paz no mundo e as insta a lutar junto com o CMP e suas organizações membros, contra o imperialismo e suas guerras brutais e pela paz.

  • Comunicado Final do Encontro do Comité Executivo do Conselho Mundial da Paz

    O Comité Executivo (CE) do Conselho Mundial da Paz realizou com sucesso nos dias 23 a 25 de Novembro de 2013, em Caracas, na Venezuela, o seu primeiro encontro após a Assembleia de Katmandu (Julho de 2012). Foram proporcionadas ao encontro excelentes condições pelo Comité Internacional de Solidariedade (COSI), membro do Conselho Mundial da PAZ.

    Lembramo-nos bem da realização da Assembleia da Paz, em 2008, onde se anunciou Caracas como a “Capital Mundial da Paz e da luta Anti-imperialista”. A nossa Assembleia foi realizada sob os auspícios do falecido Presidente, Comandante Hugo Chavez, a quem prestamos o nosso mais profundo respeito pela sua contribuição e liderança de sucesso na revolução bolivariana, como o líder genuino do seu povo, amplamente reconhecido mundialmente.

  • Conselho Mundial da Paz condena os exercícios militares dos EUA e da Coreia do Sul

     

    O Conselho Mundial da Paz (CMP) expressa sua condenação veemente sobre os pesados exercícios militares recentes e em curso dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, denominados “Key Resolve” e “Eagle 16” em torno da Península Coreana, que colocam novos perigos à paz e à estabilidade na região, com o objetivo de aumentar a tensão através da pressão sobre a República Popular Democrática da Coreia (RPDC).

    Os exercícios militares mencionados, com mais de 300 mil soldados da Coreia do Sul e 27 mil soldados do norte-americanos, um porta-aviões e navios de guerra com armamentos pesados, são dos exercícios militares de maior envergadura da história da região e acontecem no mesmo momento em que sanções são impostas pelo Conselho de Segurança da ONU (Resolução 2270) contra a RPD da Coreia.

  • Conselho Mundial da Paz exige libertação dos 3 cubanos presos nos EUA

    os cinco 1 20140228 1517325565

    Socorro Gomes, presidente do Conselho Mundial da Paz, enviou uma carta ao presidente dos EUA, onde é exigida a libertação imediata dos três cubanos injustamente presos naquele país.  

    O texto da carta:

    "São Paulo, 4 de Junho de 2014
    SR. BARACK OBAMA
    PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS
     
    Senhor presidente,
     
    Da mesma forma que muitos movimentos sociais, personalidades do meio acadêmico, científico e artístico, e especialmente renomados juristas estrangeiros, venho, na condição de presidente  do Conselho Mundial da Paz,interceder em favor da imediata liberação dos 3 cidadãos cubanos, injustamente presos  nos Estados Unidos por protegerem seu país de atentados terroristas.

  • Conselho Mundial da Paz manifesta solidariedade aos prisioneiros palestinos em greve de fome

    O Secretariado do Conselho Mundial da Paz (CMP) divulgou neste domingo (7) uma nota de solidariedade aos prisioneiros políticos palestinos em greve de fome desde 17 de abril. Já são mais de 1.500 palestinos e palestinas aderindo ao protesto desde as prisões israelitas e a manifestação tem mobilizado o apoio internacional.

    Declaração do Conselho Mundial da Paz exigindo a libertação de todos os prisioneiros políticos palestinos das prisões israelitass

    O CMP expressa sua séria preocupação sobre a ofensiva acelerada do regime de ocupação israelita na Palestina, com a continuação da colonização na Cisjordânia, as prisões e perseguição dos palestinos, até mesmo crianças, e a retórica e esforços pela judaização de Israel, assim como o impasse das negociações pela solução do problema palestino por causa do lado israelita, que recebe apoio completo dos EUA e da União Europeia.