Outras Notícias

NATO

  • Culminando uma campanha em defesa da Paz e de denúncia da NATO e dos objectivos belicistas da sua cimeira de Bruxelas, "Sim à Paz! Não à NATO!", subscrita por 28 organizações portuguesas, muitos foram os activistas que percorreram ao final da tarde de dia 24 as ruas da baixa lisboeta exigindo a dissolução da NATO, o fim da corrida aos armamentos e das bases militares estrangeiras, o desarmamento.

    A campanha que contou com iniciativas em várias outras cidades do país, nomeadamente com a distribuição de milhares de documentos, foi expressão do desejo de paz e repúdio pela NATO, enquanto bloco político-militar agressivo caracterizado como a maior ameaça à paz mundial.

    A acção, convocada pelo conjunto das organizações e movimentos subscritores, decorreu sob palavras de ordem como "Sim à Paz! Não à NATO", "Defender a Constituição! NATO não!", "Trabalho sim! Guerra Não", entre outras, e decorreu na véspera da cimeira da NATO em Bruxelas ao mesmo tempo que, na capital belga, milhares de pessoas faziam também ouvir a sua voz em defesa da paz, onde também participava uma delegação do CPPC.

    No final, intervieram representantes da CGTP-IN, do MDM, da Associação «Projecto Ruído» e do CPPC.

  •  sim a paz nao a nato lisboa 2018 1 20180714 1051838237

    Ontem, dia 9 de Julho em Lisboa, a campanha "Sim à Paz! Não à NATO!", realizou um acto público em Lisboa continuando a denúncia da NATO e dos objectivos belicistas da sua cimeira de Bruxelas, que terá lugar nos dias 11 e 12 deste mês. Muitos foram os activistas que percorreram ao final da tarde as ruas da baixa lisboeta exigindo a dissolução da NATO, o fim da corrida aos armamentos e das bases militares estrangeiras, o desarmamento geral e controlado e o respeito por parte das autoridades portuguesas, dos princípios constitucionais, nomeadamente com o estabelecimento de um política externa de paz e cooperação.

    O acto, convocado pelo conjunto das organizações e movimentos subscritores, decorreu sob palavras de ordem como "Sim à Paz! Não à NATO", "Defender a Constituição! NATO não!", "Trabalho sim! Guerra Não", entre outras.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou em quatro iniciativas no Algarve, durante o dia 11 de Maio, através da presidente da direção nacional e de vários membros do núcleo local.

    Durante a manhã, com apoio do Sindicato dos Professores da Zona Sul, representado por Isa Martins, realizou-se uma palestra na Escola Básica e Secundária de Albufeira sobre a importância da luta pela Paz.

    Pela tarde, após uma reunião com o Cineclube de Faro tendo em vista uma parceria para exibir filmes sobre a temática da Paz, decorreu no Club Farense, um Debate Público sob o tema "A Situação Internacional e os Problemas da Paz, organizado pela União dos Sindicatos do Algarve/CGTP-IN e o CPPC- Conselho Português para a Paz e Cooperação. Para além do Coordenador da USAL/CGTP-IN, António Goulart, o debate contou ainda com a moderação de Isa Martins, dirigente do SPZS e Ilda Figueiredo, presidente da Direção Nacional do CPPC.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) participou, no passado dia 8 de Julho, em Varsóvia, na Conferência Internacional contra a NATO, organizada pelo Conselho Mundial da Paz no dia em que se iniciava a cimeira desse bloco político-militar agressivo.

    Na conferência participaram dezenas de delegados de vários movimentos da Paz da Polónia e de mais de 20 outros países.

    Os delegados presentes na conferência participaram ainda na manifestação contra a NATO que ocorreu em Varsóvia no dia 9 de Julho.

     

  • sim a paz nao a nato porto 2019 1 20190408 1674698498

    Decorreu no passado dia 5 de Abril um Ato Público "Sim à Paz! Não à NATO!" na rua de Santa Catarina no Porto, onde, apesar da chuva, foi possível distribuir muitas centenas de documentos. As intervenções denunciaram a NATO e a sua atividade, dando continuidade à luta de décadas do povo português e dos amantes da paz em todo o mundo pela dissolução da NATO – a maior ameaça à segurança e à paz mundiais.

    Ali se referiram algumas das graves intervenções da NATO ao longo dos seus 70 anos de existência e se lembrou que a sua criação contrariou a formação de um sistema de segurança coletiva prevista na Carta das Nações Unidas, impondo ao mundo um bloco político-militar e a lógica da confrontação e da corrida aos armamentos.

    Ali se exigiu, a dissolução da NATO; o fim das guerras de agressão promovidas pela NATO e pelos seus membros; a abolição das armas nucleares e de outras armas de destruição massiva; o fim da corrida aos armamentos e o desarmamento geral, simultâneo e controlado; a assinatura e ratificação, por parte das autoridades portuguesas, do Tratado de Proibição de Armas Nucleares; a defesa dos princípios consagrados na Constituição da República Portuguesa e na Carta das Nações Unidas, com particular significado quando se assinala 45 anos da Revolução de Abril.

    Intervieram Maria Gomes da JCP; Nuno Coelho da USP/CGTP e Ilda Figueiredo do CPPC.

  • sim a paz nao a nato bruxelas 2018 1 20180714 1759756199

    Nos passados dias 6 e 7 de Julho o CPPC participou em Bruxelas num colóquio promovido pelo movimento da paz Belga INTAL e na conferência do Conselho Mundial da Paz (CMP) “Sim à Paz! Não à NATO!”, realizadas no âmbito das acções contra a NATO e a sua cimeira, que decorre hoje e amanhã (11 e 12 de Julho) naquela cidade Belga.

    No sábado, 7 de Julho, o CPPC participou, com a INTAL. na manifestação promovida por alargado conjunto de organizações belgas, com uma faixa da campanha “Sim à Paz! Não à NATO!”.

  • No Porto, na rua de Santa Catarina, a Campanha “Sim à Paz! Não à NATO!” realizou um Acto Público, no passado sábado, 9 de Julho, segundo e último dia da Cimeira da Nato em Varsóvia. A iniciativa contou com a participação de muitos activistas da Paz que se associaram à campanha promovida por 26 organizações portuguesas, na defesa da Paz e contra os propósito agressivos da NATO e da sua cimeira em Varsóvia.

    Durante a iniciativa foram distribuídos jornais da campanha e ocorreram intervenções, de Tiago Oliveira, coordenador da USP/CGTP, que deu a conhecer a Moção “Paz e solidariedade” aprovada no dia anterior no 11º Congresso da União dos Sindicatos do Porto/CGTP- IN. Aí se afirma , por exemplo, que “a guerra e a violência não servem os interesses de classe dos trabalhadores e do povo, se manifesta o repúdio por todas as formas de ingerência, agressão e violência contra os trabalhadores e os povos, se exige a dissolução da NATO tal como previsto na Constituição da República Portuguesa, se exige de todos os países o acolhimento e tratamento digno dos refugiados, travando firme combate a qualquer forma de manifestação xenófoba ou racista”.

    No final, Ilda Figueiredo, presidente da direcção do Conselho Português para a Paz e Cooperação, denunciou de um modo particular a evolução recente da NATO, com intervenções, ingerências e agressões aos povos, destacando os casos da Líbia, Afeganistão, Iraque e Síria, a nova corrida aos armamentos e a crescente militarização no Leste da Europa, em especial na Polónia, Roménia e Estados do Báltico. Mas reafirmou também que a guerra não é inevitável, com a mobilização dos povos na luta pela Paz, tão necessária ao desenvolvimento e ao progresso social.

  • No passado sábado, dia 1 de Abril, no âmbito do assinalar dos 68 anos da criação da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a 4 de Abril de 1949, o Conselho Português para a Paz e Cooperação realizou uma sessão pública sob o lema "Sim à Paz! Não à NATO!".

    Na sessão que teve lugar na sede nacional da CGTP-IN, em Lisboa, participaram Ilda Figueiredo, Frederico Carvalho, Gustavo Carneiro e Maurício Miguel e convidados de Itália e da Bélgica.

    Nas intervenções foi abordada a forma como a NATO é identificada como principal ameaça à Paz mundial, e as expressões particulares desta ameaça em cada um dos países representados.

    Num ambiente de animado debate ficou clara a necessidade de continuar e aprofundar o trabalho conjunto pela paz e contra a NATO, nomeadamente no quadro da realização da sua próxima cimeira em Maio deste ano em Bruxelas.

     

  • sim a paz nao a nato 1 20190403 1826329990

    Leia aqui o folheto da Campanha "Sim à Paz! Não à NATO!"

    https://issuu.com/conselho_paz/docs/folheto_nato_paginas

  • O CPPC esteve presente nos passados dias 23 e 24 de Maio nas iniciativas promovidas pela organização belga INTAL e pelo Conselho Mundial da Paz (CMP), em Bruxelas.

    As iniciativas realizadas no âmbito da campanha do CMP "Sim à Paz! Não à NATO!", assentaram na importância da defesa da paz e denúncia dos objectivos belicistas da reunião da NATO que se realizou no dia 25 de Maio, também em Bruxelas.

  • Sim à Paz! Não à NATO! - 2017

    Leia o folheto produzido no âmbito da Campanha "Sim à Paz! Não à NATO - Contra a cimeira da NATO em Bruxelas - 2017" , distribuído nas iniciativas desenvolvidas em várias cidades do país. http://issuu.com/cons…/…/folheto_sim_a_paz_nao_a_natocom_tod

  • sim a paz nao a nato coimbra 2018 1 20180714 1364642399

    No âmbito da campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" activistas do CPPC realizaram no passado dia 10, durante a tarde, uma vigília na Praça 8 de Maio, em Coimbra. Durante a iniciativa os activistas distribuiram documentos da campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" e contactaram com a população.

  • sim a paz nao a nato evora 2018 1 20180714 1857585577

    No âmbito da campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" activistas do CPPC realizaram no passado dia 10 , na Praça do Giraldo e no Mercado 1º de Maio, em Évora, uma distribuição de documentos alusivos à campanha pela proibição de armas nucleares.

    Recordamos que a NATO, tal como os EUA, têm nos seus conceitos estratégicos a possibilidade da utilização de armas nucleares num primeiro ataque, mesmo contra "adversários" não nucleares.

  • sim a paz nao a nato faro 2018 1 20180714 1651131591

    No âmbito da campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" activistas do CPPC e de outras organizações realizaram hoje um acto público, na baixa de Faro.

    Ao longo da iniciativa, que terminou com uma intervenção de Sofia Costa do núcleo do CPPC do Algarve, foram distribuídas centenas de documentos da campanha.

  • sim a paz nao a nato porto 2018 1 20180714 2010369754

    No âmbito da campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" activistas do CPPC realizaram no dia 10 de Julho, no Porto, uma distribuição de documentos da campanha, a iniciativa serviu também para apelar à participação no acto público "Sim à Paz! Não à NATO!" que se vai realizar amanhã, dia 12 de Julho, pelas 18 horas, na Rua de Santa Catarina, no Porto.

  • sim a paz nao a nato porto 2018 1 20180714 1145256854

    Decorreu no centro do Porto, no final da tarde de 12 de Julho, mais uma iniciativa inserida na campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" promovida por mais de 40 organizações que subscrevem a campanha e que já realizaram muitas outras iniciativas em diversas cidades do país.

    Nesta iniciativa denunciaram-se os objectivos belicistas da NATO, bem patentes nas conclusões da Cimeira de Bruxelas, que apontam para o reforço do militarismo e o aumento das despesas militares, protestou-se contra a posição do governo português de se comprometer cada vez mais com esse bloco político militar ao serviço do imperialismo dos EUA e dos seus aliados, designadamente da União Europeia, que se apresenta como o pilar europeu da NATO. Foi particularmente denunciado o compromisso do primeiro-ministro português de aumentar as despesas militares ligadas à NATO, quando se sabe que Portugal é um dos países membros da NATO com maior percentagem do seu PIB em despesas com a política de defesa ligada à NATO nos próximos orçamentos de estado, embora continue com grandes carências de investimento público, designadamente nas áreas da saúde, da educação, da segurança social e da habitação.
    Neste acto público, que incluiu também distribuição de documentos, intervieram representantes do CPPC, da USP/CGTP, do MDM e da Associação de Estudantes da Escola Secundária Aurélia de Sousa.

  • Também no Porto se realizou um acto público da Campanha "Sim à Paz! Não à NATO!" no momento em que se realizava uma reunião da Nato, em Bruxelas.

    Culminando uma campanha em defesa da Paz e de denúncia da NATO e dos objectivos belicistas da sua cimeira de Bruxelas, "Sim à Paz! Não à NATO!", subscrita por 28 organizações portuguesas, que contou com uma iniciativa pública no dia anterior em Lisboa, ou a distribuição de milhares de documentos em várias outras cidades do país

    A acção, convocada pelo conjunto das organizações e movimentos subscritores, decorreu sob palavras de ordem como "Sim à Paz! Não à NATO", "Defender a Constituição! NATO não!", "Trabalho sim! Guerra Não", entre outras

    No final intervieram representantes do Movimento Democrático de Mulheres, da União dos Sindicatos do Porto e do Conselho Português para a Paz e Cooperação. Foram distribuídos documentos da pelas pessoas que passaram ou se juntaram à iniciativa que decorreu na Rua da Santa Catarina, no centro do Porto.

  • 20 anos da agressao da nato contra a jugoslavia 1 20190408 1340072325

  • É com grande preocupação que o Conselho Português para a Paz e Cooperação encara o aprofundamento do processo de militarização da União Europeia (UE) actualmente em curso. O militarismo é, a par do cerceamento da soberania dos Estados por parte de instituições supranacionais dominadas pelas grandes potências e da promoção das políticas neoliberais, que agridem direitos económicos e sociais, um dos esteios da UE – sendo a criação de um futuro exército europeu, apesar de contradições que persistem, um objectivo há muito prosseguido pelas principais potências europeias.

    Este processo de militarização – muito embora se processe numa complexa relação em que estão permanentemente presentes, seja a concertação, seja a rivalidade entre os EUA e grandes potências europeias –, tem convergido e sido determinado no quadro da NATO, assumindo-se a UE como o pilar europeu deste bloco político-militar.

  • O Secretário-geral da Organização da Aliança do Atlântico Norte (NATO), esteve em Portugal, onde – num momento em que continuam a ser impostos cortes aos rendimentos e sacrifícios à esmagadora maioria do povo português –, afirmou ser necessário aumentar os gastos militares dos países da NATO, designadamente de Portugal. Recorde-se que os orçamentos militares do conjunto dos países da NATO representam cerca de 70% dos gastos mundiais em armamento e despesas militares.

    Na visita ao nosso País o Secretário-geral da NATO elogiou o envolvimento do nosso país nos planos agressivos desta organização belicista, de que são exemplo a actual presença de F-16 da força aérea portuguesa e a anunciada participação de 600 militares (a partir de 2016) nas denominadas forças de reacção rápida da NATO junto às fronteiras da Federação Russa; ou ainda o papel que Portugal assumirá nos maiores exercício militares da NATO das últimas décadas cuja realização está anunciada para o final deste ano em Espanha, Itália e Portugal.

    Reafirmando que a NATO é a principal ameaça à Paz mundial, o CPPC – em consonância com os princípios da Constituição da República Portuguesa – sublinha a necessidade da dissolução deste bloco político-militar e repudia o envolvimento de Portugal nas suas operações de ingerência, nas suas manobras de aumento da tensão internacional e guerras de agressão.