Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

Realizou no final da tarde de 15 de Maio uma iniciativa na Praça da Palestina, no Porto, de solidariedade com a Palestina e de denúncia dos massacres que causaram mais de 60 mortos e feriram mais de 2700 pessoas no mesmo dia em que os EUA abriram a sua embaixada em Jerusalém contra as resoluções da ONU e o direito internacional e quando se assinalam os 70 anos da Nakba, a grande tragédia.

Ali se gritou Palestina Vencerá!Não à provocação, fim à ocupação! Ali estavam presentes cerca de duas centenas de pessoas a apoiar os protestos legítimos e vigorosos do povo palestino, a denunciar a violenta e criminosa repressão contra os que na Palestina estão neste momento também nas ruas a lutar pelos seus direitos e pela paz.

Ali se saudaram as mais de cinquenta organizações que se juntaram ao apelo das 4 organizações promotoras iniciais: o Conselho Português para a Paz e Cooperação, A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional, o Movimento Democrático de Mulheres e o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e a Paz no Médio Oriente.

Intervieram Olga Dias do MDM, Nuno Coelho da USP/CGTP, o escritor José António Gomes e Ilda Figueiredo do CPPC. A jovem Luisa Barateiro leu um poema e Sara Alves apresentou a sessão pública que acabou com a aprovação de uma moção, onde se afirma:

Em 1947 a ONU decidiu a partilha da Palestina em dois Estados. A criação do Estado de Israel em 1948 foi acompanhada por uma limpeza étnica da população palestiniana, que ficou conhecida como Nakba (“a catástrofe”) e por uma guerra que visou desde logo impossibilitar a criação do Estado da Palestina. Sete décadas volvidas, a promessa de um Estado da Palestina está por cumprir.

Mas a Nakba continua na vida diária dos palestinos. Israel prossegue os massacres, o roubo de terras, o saque aos trabalhadores, os impedimentos de circulação, os colonatos ilegais, o Muro do Apartheid, o cerco a Gaza, as prisões arbitrárias, a ocupação, que fazem parte dum processo de expulsão dos palestinos de toda a sua terra natal, iniciado em 1948.

A decisão dos EUA/Trump de declarar Jerusalém como capital de Israel, anunciando a transferência da sua embaixada para essa cidade, é uma frontal violação de todas as resoluções da ONU e acordos internacionais que visa impedir a realização dos direitos nacionais do povo palestino e a Paz justa e duradoura no Médio Oriente.

Assim, nós, os participantes na concentração de solidariedade com a Palestina e pela Paz no Médio Oriente:

- condenamos a política de colonização, limpeza étnica, ocupação e repressão, praticada por Israel contra o povo palestino desde há 70 anos;

- exigimos a paz no Médio Oriente, pondo fim às catástrofes geradas pelas guerras deste último quarto de século;

- protestamos contra o reconhecimento, pelos Estados Unidos, de Jerusalém como capital de Israel e a transferência para aí da sua embaixada;

- reclamamos do Governo Português que, nos fóruns em que participa, defenda o direito internacional e as resoluções da ONU respeitantes à Palestina e que reconheça formalmente o Estado da Palestina com capital em Jerusalém Oriental.

- manifestamos a nossa solidariedade com a justa luta do povo palestino pelos seus inalienáveis direitos nacionais, pela edificação do Estado da Palestina livre, independente, soberano e viável nas fronteiras anteriores a 1967, com capital em Jerusalém Oriental, e uma solução justa para a situação dos refugiados palestinos, nos termos do direito internacional e das resoluções pertinentes das Nações Unidas.