Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

POR UMA ÁGUA MAIS LIMPA
NÃO À COOPERAÇÃO EPAL-MEKOROT

25 MARÇO | 18H | LARGO CAMÕES (LISBOA)

Várias organizações portuguesas, entre as quais o CPPC, promovem amanhã uma iniciativa de apelo à revogação do acordo entre a EPAL e a MEKOROT (empresa de águas israelita).

ORGANIZAÇÕES PROMOTORAS:
Associação Agricultores do Distrito Lisboa, Associação Água Pública, Associação Intervenção Democrática, Casa Viva, Colectivo Mumia Abu-Jamal, Comité de Solidariedade com a Palestina, Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional, Conselho Português para a Paz e Cooperação, Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal, Fórum pela Paz, Grupo Acção Palestina, Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente, SOS Racismo.



PORQUÊ REVOGAR O ACORDO COM A MEKOROT?

1. Os Acordos de Oslo impedem os palestinianos de desenvolver o seu próprio sector de água e saneamento e excluem a possibilidade de comprarem água aos países vizinhos ou a empresas internacionais. Isto impôs uma situação de dependência aos palestinianos, da qual a Mekorot se aproveita e lucra.

2. A Mekorot pode extrair até 80% da água dos aquíferos da Cisjordânia, a única fonte de água subterrânea nos Territórios Palestinos Ocupados (TPO), para consumo no Estado de Israel e nos colonatos israelitas espalhados pela Cisjordânia.

3. A Mekorot trabalha em estreita parceria com o exército israelita, confiscando tubos de irrigação aos agricultores palestinianos e destruindo as fontes de água que abastecem as comunidades palestinianas. Só em 2012, o exército israelita demoliu 60 estruturas de água e de saneamento pertencentes a palestinianos.

4. A produção agrícola extensiva nos colonatos ilegais israelitas depende da utilização de água e outros recursos naturais da terra palestiniana ocupada. O estabelecimento de instalações de água pela Mekorot permite o desenvolvimento extensivo da agricultura israelita nos TPO e contribui para os lucros realizados pelos colonatos graças às colheitas e à exportação agrícola ilegal.

5. A Mekorot fornece muito mais água aos colonatos do que às comunidades palestinianas. O consumo de água diário per capita dos israelitas é de 350 litros em Israel e mais de 400 litros nos colonatos, comparados com 60 litros diários por cada palestiniano na Cisjordânia, chegando a ser de 20 litros em algumas comunidades, valores bem abaixo dos 100 litros recomendados pela Organização Mundial da Saúde.

6. A Mekorot aplica os preços da água de modo discriminatório, cobrando aos colonos e aos clientes em Israel 1,8 shekels por metro cúbico de água, e aos palestinianos em média 2,5 shekels por metro cúbico.

PORQUE QUALQUER COOPERAÇÃO COM A COMPANHIA DAS ÁGUAS ISRAELITA BENEFICIA A POLÍTICA DE COLONIZAÇÃO E VIOLA DIREITOS HUMANOS BÁSICOS COMO O DIREITO À ÁGUA, CONTAMOS COM A TUA PARTICIPAÇÃO!